10 profissões que ainda não existem – mas você precisa conhecer

10 profissões que ainda não existem – mas você precisa conhecer

Gestor de influenciadores digitais, defensor da ética tecnológica e analista de dados da Internet das Coisas. Eis algumas profissões do futuro apontadas pelo Mapa do Ensino Superior no Brasil 2018, lançado em outubro pelo Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp). As novas carreiras serão consequência da Quarta Revolução Industrial, movimento que sintetiza as transformações tecnológicas que estão mudando a maneira como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Confira uma relação de dez profissões que ainda não existem – mas é importante estar atento a elas:

Leia mais: Uma conversa com Rui Fava sobre educação, trabalho e tecnologia

1. Agricultor digital
Internet, smartphones e drones já estão na rotina de alguns poucos trabalhadores do campo. No futuro, no entanto, sistemas de geolocalização e uma série de recursos digitais farão parte da rotina de um novo perfil de agricultor. Além dos conhecimentos relacionados ao meio rural, o agricultor digital precisará de competências em tecnologia, agricultura de precisão, sistemas de análise de clima, padrões estatísticos e até mesmo em big data.

2. Defensor da ética tecnológica: Esse profissional atuará como intermediário entre humanos, robôs e a inteligência artificial. A expectativa é de que os robôs funcionem como assistentes pessoais e desempenhem tarefas manuais e de atendimento. Caberá ao defensor da ética tecnológica estabelecer regras morais ante as máquinas. Para tanto, serão fundamentais conhecimentos em comunicação, ética e até mesmo filosofia.

Leia mais: A inteligência artificial e seu impacto transformador na educação

3. Gestor de novos negócios em inteligência artificial: Sua responsabilidade será definir, desenvolver e implementar programas eficazes para acelerar negócios com inteligência artificial. Entre suas funções estarão tarefas administravas e comerciais, além de prover experiências em plataforma IA, machine learning e computação em nuvem.

4. Gestor de influenciadores digitais: Conhecimentos em análise de dados, computação, vendas, publicidade e marketing serão importantes para o gestor de influenciadores digitais. Com o crescimento das mídias digitais, o profissional terá a responsabilidade de checar a veracidade das informações, dos seguidores e de analisar os algoritmos dos influenciadores – sempre de acordo com o perfil de cada cliente.

Leia mais: Competências em EAD: as exigências de uma nova era

5. Analista de dados da Internet das Coisas: Dispositivos portáveis, como carros e eletrodomésticos, terão a capacidade de coletar e transmitir dados pela internet. O fenômeno, conhecido como Internet das Coisas (IoT, de Internet of Things), chama atenção justamente pelo potencial de aplicação em diferentes campos das atividades humanas. O analista de dados de IoT deverá ter habilidade para reconhecer padrões e elaborar perguntas difíceis e assertivas. Dessa forma, a análise de big data será necessária para encontrar formas de úteis e significativas de traduzir essas informações. Conhecimentos em engenheira, estatística, comunicação, empreendedorismo e resolução de problemas.

6. Gestor de resíduos: Atuando entre os setores de políticas públicas de organizações e de governos, o gestor de resíduos será responsável por gerenciar e desenvolver o direcionamento dos resíduos produzidos – em especial, pelo segmento industrial. Até porque, no futuro, a transformação do lixo em fonte energia (e renda) será uma atividade corriqueira. Daí a razão pela qual o gestor de resíduos precisará adquirir competências em áreas tão distintas quanto engenharia química, ecologia, direito e relações públicas.

Leia mais: Ciência, Tecnologia e Inovação, as competências para o crescimento sustentável

7. Especialista em impressão: 3D de grande porte A atuação contemplará um ramo ainda inexplorado da engenharia civil. O profissional precisará gerenciar operações com impressoras 3D para o segmento imobiliário e de infraestrutura. Para tanto, serão importantes conhecimentos em design, projetos, engenharia eletrônica e civil.

8. Conservacionista de identidade nacional: A identidade nacional é um aspecto sensível a qualquer país. Com os avanços naturais da globalização, as nações precisarão de pessoas que ajudem a cultivar a memória e a existência de monumentos e construções históricas. Aqui, as ferramentas digitais serão melhores ferramentas à disposição do conservacionista de identidade nacional – uma função que irá requerer conhecimentos em história, antropologia, artes e tecnologia.

9. Controlador de tráfego multidimensional: Com o aumento da utilização de veículos autônomos e de drones, a organização e o gerenciamento dos espaços rodoviário e aéreo serão imprescindíveis. Ao assumir essa responsabilidade, o controlador de tráfego multidimensional terá de lidar com ferramentas de inteligência artificial de ponta.

10: Técnico de manutenção de robôs pessoais: Tudo leva a crer que os robôs serão cada vez mais eficientes para realizar tarefas desagradáveis, perigosas, além de atenderem humanos em cuidados pessoais. Por isso, o técnico de manutenção de robôs terá de ser um perito em tecnologia, robótica e computação.

Leia mais: Chatbots na educação: um novo jeito de aprender e ensinar

Confira a série Educação e trabalho

Foto em destaque: Alunos de engenharia biomédica, na PUC-PR: técnico de manutenção de robôs pessoais deve ser uma das profissões do futuro. Crédito: divulgação.