Motivação: 4 estratégias para engajar o aluno na sala de aula virtual

Motivação: 4 estratégias para engajar o aluno na sala de aula virtual

Sejam alunos de ensino fundamental, superior ou estudantes de doutorado, sempre será um desafio mantê-los motivados. Cursos online apresentam desafios únicos, especialmente porque existe menos interação em tempo real entre professor e aluno.

Muitos pensam que manter alunos interessados é tão fácil quanto seguir uma fórmula. Infelizmente, não existe mágica que ajudará a engajar os estudantes: cada grupo e cada turma são diferentes. Muitos fatores afetam a motivação de um determinado estudante para que ele continue trabalhando e aprendendo. Entre eles: interesse, percepção, desejo, autoconfiança, autoestima, paciência e persistência (Bligh, 1971; Sass, 1989).

A psicologia educacional identificou duas classificações de motivação. A intrínseca vem de um desejo de aprender algo em busca de autorrealização. A extrínseca surge de um desejo de sucesso em prol da realização de um resultado. Extrinsecamente, alunos motivados tendem a ser orientados para a qualidade; intrinsecamente, os engajados são aqueles que geralmente têm interesse em seu trabalho.

Quem leciona em cursos EAD certamente já se viu desafiado a manter a motivação de seus alunos. A seguir, veja quatro métodos que têm dado resultado no engajamento de estudantes online. Afinal, o envolvimento dos alunos é a chave para o sucesso em um curso a distância.

1 – Recompensar o sucesso dos alunos

Os estudantes não são robôs; são humanos. E os seres humanos gostam de ser recompensados. Portanto, reconhecer um acerto ajuda a construir a autoestima e a autoconfiança, o que, por sua vez, ajudam a motivar os alunos para a próxima tarefa.

Quando possível, faça que trabalhos bem-executados de alunos sejam compartilhados com o resto da turma. Certifique-se de fazer isso com alunos diferentes, não sempre os mesmos. Será um reconhecimento para quem o desenvolveu, mas também proporcionará motivação para quem realmente quer fazer melhor.

Por outro lado, quando for um feedback negativo, tente ser específico e mostrar onde está o erro, sem fazer com que o estudante se sinta humilhado. Não existe maneira mais rápida de fazer um aluno perder o foco do que quando está triste ou humilhado, mesmo que isso aconteça por acidente.

Outra forma de premiar os alunos é, ao longo do curso, oferecer créditos extras para quem está envolvido. Se estão trabalhando em suas tarefas, projetos e exames regularmente, podem obter crédito por apresentação dentro do cronograma do curso. Dar a eles um calendário recomendado de leituras e datas de entrega, deixando claro que, caso sigam o planejamento, não terão problemas em terminar o curso dentro do prazo, ajuda a organização. Mas atrasos acontecem, e tudo bem se perderem uma data, desde que terminem dentro do prazo. Por isso a premiação funciona.

2 – Ensinar os alunos a monitorar o seu próprio progresso

Alguns alunos são genuinamente proativos e motivados em sala de aula. No entanto, todo mundo é diferente. É importante que a instituição e os professores saibam que nem todos os alunos têm autoconfiança para aprender um novo assunto. Por isso, algumas soluções são poderosas nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) para monitorar seus estudantes e ajudá-los a atingir os objetivos do curso.

Algumas ferramentas incluem discussões, blogs e trabalhos em grupo, por exemplo. Cada uma delas têm pontos positivos e negativos, e existem literalmente dezenas de maneiras como cada uma delas pode ser utilizada, podendo ser adaptadas à sua realidade.

Nas aulas tradicionais, costumo postar mais frequentemente em fóruns de discussão do que nos cursos online. Diariamente, publico no LMS um resumo de tudo o que fizemos na aula para que os alunos possam reorientar seus pensamentos e relembrar o que foi estudado. Já nas aulas de educação a distância, embora existam os fóruns de discussão, faço com que todas as anotações e exemplos sejam carregados nas páginas de conteúdo do curso. Dessa forma, não abro exatamente um lugar para longas discussões, e sim uma introdução sobre a matéria em forma de tópicos.

Blogs são úteis em qualquer ambiente, pois dão uma chance para deixar uma escrita detalhada sobre um novo tópico, uma novidade, últimas notícias etc.

Motivação: 4 estratégias para engajar o aluno na sala de aula virtual

3 – Criar um ambiente aberto e acessível para os estudantes

Um dos melhores métodos para manter o aluno focado nas tarefas tem sido a criação de horas de sala virtual. Assim, fico disponível para conversar por chat ou videoconferência. Parece que muitos estudantes preferem escrever em um bate-papo do que enviar suas perguntas por e-mail. Acho que é a natureza instantânea das conversas por texto nas redes sociais que os deixa mais à vontade. Para mim, não importa o que funciona melhor para eles, desde que eu esteja flexível.

Outra dica é ajudar o aluno a encontrar um significado pessoal no material. Olhar para a lista de classe e tentar incorporar exemplos e comentários que aproxime os estudantes do conteúdo. Professores também tiveram experiências em sua formação: quantos instrutores eram difíceis de alcançar, impossíveis de encontrar ou extremamente rigorosos? Como foi sua reação? Como se manteve motivado?

Criar uma atmosfera aberta e positiva inclui estar pronto para responder às perguntas e disponível, tais como nas horas da sala virtual.

Por fim, mesmo que você não veja seus alunos online, você ainda pode fazer com que se sintam parte da turma, apresentando-os aos colegas e incentivando uma comunicação. Assim como na sala de aula física, o Ambiente Virtual de Aprendizagem não precisa se tornar uma comunicação em um sentido só. Os alunos precisam absorver o conhecimento do professor, e, mais importante, o professor precisa se preocupar com eles e com seu sucesso.

Variar a forma de ensinar também facilita a comunicação. Pode-se utilizar exemplos, estudos de caso, transmitir uma informação sobre um tópico específico com mais de uma abordagem para que alunos que aprendem de formas diferentes consigam aprender o mesmo conhecimento.

4 – Ajudar os alunos a definirem metas atingíveis no curso

Os alunos devem ser encorajados a se tornarem aprendizes independentes e auto-motivados. Como professores, é possível alcançar esse objetivo fazendo acompanhamento frequente, com feedbacks que ajudem o estudante a melhorar sabendo que tem capacidade para executar o curso. Também se pode garantir oportunidades para o sucesso atribuindo tarefas que não sejam nem tão fáceis, mas também não muito difíceis. Esforce-se para manter as expectativas elevadas, mas não irrealistas em suas avaliações e interações.

Outra abordagem é ajudar os alunos a definirem metas atingíveis no curso. Deixar claro, por exemplo, um tempo estimado para conclusão de uma tarefa ou o que eles precisam fazer para ter a nota máxima em minha disciplina. O sucesso é definido de forma diferente para cada aluno, mas dar expectativas claras sobre sua expectativa para diferentes níveis de desempenho fará com que eles trabalhem para atingir o que esperam de seus desempenhos ao longo do curso.

Certifique-se de apontar onde estão os problemas à frente deles e constantemente os entusiasme, perguntando se pode ajudar com algo. Os alunos percebem se você está animado em ensiná-los.

A chave geral para a motivação dos estudantes em cursos de educação a distância é a construção de atividades de participação nas aulas. No entanto, não se pode perder de vista o objetivo principal da classe, que é o de educar. Por isso, não exagere: você tem que trabalhar para encontrar a combinação certa. Afinal, cada aluno é diferente, e cada classe também. Se você não sabe o que está funcionando ou não em suas turmas, se sentir que está perdendo os alunos ou que não está sendo bem-sucedido, peça a eles conselhos. Pergunte. Eles vão falar.

 

Artigo traduzido e adaptado de Brian Morgan, presidente e professor associado do Departamento de Ciência e Tecnologia Integrada da Universidade Marshall. Publicado originalmente no blog da Blackboard Internacional.

Leia mais:

Ensino superior a distância deve superar educação presencial no Brasil

Como utilizar os fóruns de discussão online como ferramentas de avaliação no EAD