Colunistas

O papel do gestor na implementação do ensino híbrido

1

O ensino híbrido, caracterizado pela combinação estratégica de práticas de ensino presenciais e online, emergiu como um modelo educacional crucial, especialmente na era pós-pandemia.  

Nesse texto busco trazer reflexões sobre a contribuição deste modelo sob a ótica dos gestores de Instituições de Ensino Superior, destacando seu impacto no mercado educacional, a interação entre modalidades presenciais e online, e ofereço sugestões para a implementação eficaz de tecnologias educacionais para essa modalidade. Adicionalmente, discutiremos desafios potenciais e boas práticas recomendadas para otimizar a experiência de aprendizagem híbrida. 

Impacto do ensino híbrido para gestores do ensino superior 

Dados recentes do mercado educacional, provenientes do INEP e de órgãos internacionais como da Association for Learning Technology (ALT) e também do Educause, indicam um crescimento significativo no interesse por programas de ensino híbrido.  

Estudantes buscam flexibilidade e personalização em seus percursos de aprendizagem, equilibrando a necessidade de interações presenciais que promovem engajamento e construção de comunidades com a conveniência e acessibilidade do ensino online. 

Gestores educacionais devem reconhecer essa tendência como uma oportunidade para repensar e inovar nas ofertas de cursos e programas, adaptando-se às expectativas contemporâneas dos estudantes. 

Para os gestores, o ensino híbrido também oferece várias vantagens estratégicas, além das que são exclusivamente focadas nos alunos. Primeiramente, aumenta a capacidade de atendimento e diversificação de público, permitindo que a instituição alcance estudantes além de suas fronteiras geográficas. Além disso, potencializa a eficiência de recursos físicos e digitais, otimizando o uso de salas de aula e laboratórios, enquanto expande a oferta de aprendizagem através de plataformas digitais. Essa modalidade também possibilita uma resposta mais ágil às mudanças no mercado de trabalho, adaptando rapidamente o currículo às novas demandas profissionais. 

Por onde começar? 

A implementação bem-sucedida do ensino híbrido requer uma seleção cuidadosa de tecnologias e conteúdos educacionais. Produtos como plataformas de gestão de aprendizagem (AVAs), ferramentas de colaboração online, e recursos de aprendizado adaptativo podem enriquecer significativamente a experiência de aprendizagem.  

A curadoria de conteúdo, nesse contexto, assume um papel central, garantindo que os materiais didáticos sejam relevantes, atualizados e alinhados aos objetivos de aprendizagem. A personalização do conteúdo, adaptando-o às necessidades individuais dos estudantes, é um diferencial importante para a valorização do ensino híbrido. 

No entanto, a implementação do ensino híbrido pode enfrentar desafios, especialmente quando há resistência ou falta de preparação do corpo docente para o uso das tecnologias.  

Leia mais:

Pontos de atenção ao implementar o ensino híbrido: 

  1. Resistência à mudança: A hesitação em adotar novas metodologias e tecnologias pode limitar a eficácia do modelo híbrido. 
  2. Falta de capacitação técnica: A ausência de treinamento adequado para professores e gestores pode comprometer a qualidade da educação oferecida. 
  3. Currículos ultrapassados: Disparidades entre o currículo e a realidade dos alunos. 

Para superar esses desafios e maximizar os benefícios do ensino híbrido, recomenda-se: 

  1. Capacitação Continuada: Investir em programas de desenvolvimento profissional para professores e gestores, focando em metodologias ativas e tecnologias educacionais. 
  2. Infraestrutura Adequada: Garantir um portfólio de tecnologia e conteúdo que atenda currículos flexíveis e inovadores. 
  3. Feedback e Avaliação Contínua: Implementar sistemas de feedback em tempo real para ajustar práticas de ensino e conteúdo conforme necessário. 
  4. Design Flexível de Curso: Desenvolver cursos com estruturas flexíveis que permitam aos estudantes navegar entre os componentes online e presenciais de forma fluída e intuitiva. Isso inclui o uso de conteúdo e objetos de aprendizagem didáticos e acessíveis. 
  5. Promoção da Interação e Colaboração: Utilizar tecnologias que promovam a interação entre alunos, e entre alunos e professores 

Ensino híbrido + outras metodologias 

Ou seja, as práticas de Learning Path (Caminho de Aprendizagem), Learning Route (Rota de Aprendizagem) e Learning Itineraries (Itinerários de Aprendizagem), representam estratégias pedagógicas imprescindíveis focadas na personalização do processo de ensino e aprendizagem. Quando integradas ao ensino híbrido, essas práticas podem significativamente potencializar o sucesso educacional, oferecendo um caminho mais adaptável e engajador para os estudantes. 

Assim, a adoção e implementação eficaz do ensino híbrido representam uma oportunidade significativa para Instituições de Ensino Superior se adaptarem às demandas contemporâneas por flexibilidade, personalização e acesso à educação. Para os gestores, entender e explorar o potencial do ensino híbrido significa não apenas acompanhar as tendências educacionais, mas também liderar inovações que podem transformar a aprendizagem.  

Adotando práticas recomendadas e investindo em recursos e treinamento, as instituições podem maximizar os benefícios do ensino híbrido, melhorando a experiência educacional para professores e estudantes. A colaboração entre gestores, corpo docente e estudantes é fundamental para criar um ambiente de aprendizagem que seja tanto inovador quanto inclusivo, assegurando que o ensino híbrido cumpra seu potencial papel transformador na educação superior. 

Daiana Rocha
Doutora em Ciências da Informação (Universidade Fernando Pessoa, em Portugal) e mestre em Educação (ULBRA), Daiana Rocha atua com educação a distância desde 2009. Começou a carreira na educação básica, passando pelas áreas de orientação educacional, profissional, gestão escolar e docência universitária. Na +A Educação, atuou como gerente de Produção de Conteúdo Digital e atualmente é Gerente Acadêmica liderando a implementação de projetos EAD em diversas empresas e instituições de ensino.

    You may also like

    1 Comment

    1. Tecnologia educacional X Cultura educacional é o ponto nevrálgico de todo esse processo denominado ensino híbrido. Ainda é muito forte e preponderante, na cultura dos alunos, a configuração sala de aula com professor presente ministrando conteúdos. Até conseguirmos que os alunos realmente se disponham a uma prática de estudo mais autônoma, vai levar tempo. Sendo ainda um processo desestimulado pela cultura digital, que afastou a intimidade com livros e textos, tornando quase utópico imaginarmos os alunos vivamente comprometidos com uma prática disciplinada de estudo em casa, longe dos seus estabelecimentos de ensino e de seus professores. Mas, como quase toda boa realidade tem como ponto inicial alguma utopia, chegaremos lá.

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.