InsightsOpinião

O evento em Harvard que discutiu soluções para a educação global

0

Participantes da 21º Fórum Acadêmico do Século 21. Créditos: Divulgação.

Por Rafael Korman

Como estimular o desenvolvimento de habilidades empreendedoras em uma zona rural de Bali, na Indonésia? Como resolver o problema da retenção dos estudantes em disciplinas a distância em Benin, Nigéria?

Perguntas que partem de contextos diferentes do Brasil podem inspirar respostas e soluções para nossos problemas. Aliás, para a cadeia da educação como um todo. Daí a importância de reunir pesquisadores dos cinco continentes no 21º Fórum Acadêmico do Século 21, realizado em novembro na Harvard Medical School. Dentre os temas abordados, três pontos em comum:

Transição lenta para o uso das tecnologias digitais

Apesar do estímulo do mercado e das instituições de ensino, ainda há muita dificuldade de popularizar as ferramentas digitais na sala de aula. Para o professor Luke Mawer, da Higher Colleges of Technology (United Arab Emirates), o sucesso na implementação depende de as crenças dos professores estarem alinhadas com as iniciativas tecnológicas.

Sundaram Ramachandran Santhanam, presidente da Association of International Mathematical Education and Research (Índia), diz que a chave está em combinar o uso de metodologias ativas, como storytelling, alinhadas a aplicativos, como o Geogebra – o que se mostrou efetivo em criar interesse em um grupo de alunos de 13 a 15 anos em matemática.

Além disso, Kingsley Ukaoha, da University of Benin (Nigéria), ressaltou a baixa cultura da educação a distância e seu efeito negativo, a evasão. Como solução, Ukaoha sugeriu resgatar as influências culturais das tradições de contação de histórias usadas no país e aliá-las às técnicas de ensino híbrido.

Leia mais: 9 benefícios da tecnologia no ambiente de ensino

Aposta no desenvolvimento das habilidades sociais com metodologias ativas

Pensamento crítico e resolução de problemas foram termos contumazes ao longo das apresentações. As pesquisadoras Cathy Chase e Victoria Markham, da Manchester Fashion Institute (Reino Unido), apostam em um modelo desenvolvido por elas, nesse sentido, para implementar a aprendizagem experiencial através da colaboração para estudantes da Geração Z.

Da University of Cape Town (África do Sul), Jacqueline Yeats estimulou o pensamento criativo ao introduzir o componente da aprendizagem ativa em um curso de Direito por meio da gravação de pequenos vídeos no celular.

Outro exemplo é o desenvolvimento de habilidades empreendedoras em uma zona rural de Bali, na Indonésia, realizado pela professora Gusti Agung Ayu Pramitasari, da Charles Darwin University (Austrália). De acordo com o trabalho, crianças residentes que tiveram acesso a atividades de empoderamento e autoconfiança tiveram mais chances de superar as dificuldades curriculares e extracurriculares. Pramitasari argumenta que, nesse contexto, a estratégia da educação não-formal é mais adequada do que a formal.

Leia mais: Uma matriz de competências digitais para a cidadania

Desafios no ensino multilíngue

Quais são as dificuldades enfrentadas por alunos cuja língua materna é diferente do idioma do país em que estudam? De acordo o estudo realizado por Arnel Genzola, da Jilin University-Lambton College (China), a ansiedade e o medo de cometer erros aparecem como os maiores entraves no desenvolvimento das habilidades de comunicação dos alunos sino-estrangeiros.

Já Anna Bayburdyan, da American University of Armenia (Armênia), defende que atividades interativas na aprendizagem de uma segunda língua, mais do que decorar regras gramaticais, é essencial para sentir avanço na aprendizagem e ganhar motivação.

Leia mais: Fluência (só) em inglês não pode ser vista como diferencial


Sobre o autor

Rafael Korman é visiting-scholar na Harvard Graduate School of Education, onde é coach candidate no Data Wise Project – educadores colaborando no uso de dados para a melhoria da aprendizagem. Doutorando em Educação pela PUCRS e co-fundador da Autonomia Soluções em Educação.

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *