9 benefícios da tecnologia no ambiente de ensino

As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) ganham mais e mais espaço a cada dia no ambiente educacional. Elas são impulsionadas pela consolidação de metodologias de aprendizado como o Ensino Adaptativo e a própria Educação a Distância (EAD).

Apesar disso, alguns profissionais e gestores ainda encaram com desconfiança a implementação desses recursos e chegam a contestar a utilidade das ferramentas. Afinal, quais seriam os reais benefícios da tecnologia na educação? O site norte-americano Jen Reviews abordou o assunto recentemente e listou 9 vantagens proporcionadas pelas TICs na elaboração de planos de aula e de estratégias de ensino. Confira um resumo dos tópicos:

1 – Criação de um melhor ambiente de aprendizagem

Os benefícios da tecnologia incluem a melhoria do ensino e o incentivo à colaboração.
GIFS: TEDED

As tecnologias ajudam a estabelecer uma sala de aula mais ativa e interessada, com estudantes participativos e atentos. O ambiente não precisa ser necessariamente high tech. É possível criar esse efeito com recursos simples. Um home theater, por exemplo, pode ser usado para levar o discente a uma vigorosa imersão de som e imagem no conteúdo proposto. No caso da educação infantil, os kits interativos podem ajudar as crianças a aprender novas palavras e a desenvolver habilidades motoras.

2 – Aprimorar a retenção de conhecimento

A tecnologia facilita aos alunos a absorção das informações. Um estudo da Rochester Institute of Technology, dos EUA, realizado com alunos que haviam falhado em testes de Engenharia, constatou um aumento de 71% na retenção de conhecimento a partir da implementação de tablets e softwares colaborativos. Outra saída para turbinar essa característica é adotar o Ensino Híbrido, que harmoniza as estratégias de conteúdo on-line e off-line.

3 – Incentivar a aprendizagem individual

O ritmo de uma turma nem sempre é equânime. Por vezes, alguns alunos conseguem despontar e outros demoram mais para evoluir em determinadas disciplinas. Casos assim requerem abordagens customizadas, que respeitem o desenvolvimento particular de cada um. Dar uma força nesse sentido é um dos benefícios da tecnologia. Existem plataformas pensadas para estabelecer trilhas de educação personalizadas, como a gamificação. O modelo cria planos de aprendizados individualizados, adaptados às capacidades do estudante.

4 – Incentivar a colaboração

Do mesmo modo, a tecnologia serve como vetor para estimular a colaboração entre os alunos. Existem recursos de fácil acesso, como o Google Docs, que podem ser usados para elaboração e execução de tarefas em conjunto pelos estudantes. As próprias salas de aula do Google oferecem mais de 50 aplicativos integrados ao ambiente de ensino. É importante que os docentes direcionem esses recursos para a resolução de problemas reais, possibilitando o desenvolvimento de habilidades como pensamento crítico, autogerenciamento, liderança e trabalho em equipe.

5 – Implementar um Learning Management System (LMS)

Conhecido no Brasil como “ambiente virtual de aprendizagem” (AVA), o LMS é o suporte tecnológico dos métodos de EAD. Esse tipo de plataforma educacional possui diversos modelos, cuja eficácia sempre depende do perfil da IES e dos objetivos de utilização da plataforma. Os benefícios da tecnologia incluem a combinação de recursos úteis para o ensino – como criação de cursos, fóruns e gerenciamento de documentos, entre outros.

6 – Preparar os alunos para o futuro

De acordo as projeções do Fórum Econômico Mundial, cerca de 65% das crianças que hoje estão no ensino primário irão trabalhar em empregos ainda não inventados. Isso tem tudo a ver com as TICs e, por consequência, com a necessidade de incentivar a familiarização dos alunos com esses recursos. Na prática, a tecnologia já é parte da vida das novas gerações. As escolas, assim, devem estar alinhadas a essa realidade. Aqui, o ponto central é a discrepância de renda. Nem todas as instituições possuem condições de oferecer as ferramentas necessárias aos estudantes.

7 – Possibilitar a continuidade do ensino fora da sala de aula

Um estudo anual conduzido pelo Centro Educacional de Pesquisa Aplicada (ECAR, na sigla em inglês), realizado com mais de 100 mil estudantes norte-americanos, apontou que 70% deles aprendem melhor em um ambiente de ensino misto (on e off-line). Além disso, cerca de 50% dos alunos afirmaram estar mais ativamente envolvidos em aulas que usam tecnologia. Isso é um trunfo para os professores criarem atividades capazes de engajar os discentes fora da sala de aula. Os webquests e os blogs de turma podem ser úteis nessa tarefa.

8 – Auxiliar a preparação das aulas

A inesgotável oferta de entretenimento ao alcance de crianças e adolescentes exige que os professores sejam cada vez mais criativos, a fim de garantir a atenção dos alunos. Para isso, os discentes devem considerar a aplicação dos recursos tecnológicos não apenas nas salas de aula, mas também na busca de referências e de oportunidades de desenvolvimento profissional. Blogs, redes sociais e os próprios LMS são ótimas opções para facilitar o contato entre professores, dando acesso a novos conteúdos e a redes de colaboração e de debate.

9 – Embasar as estratégias de gestão das instituições

Os gestores também podem se valer da tecnologia para aprimorar as questões administrativas das escolas. Aqui, os sistemas de dados exercem um papel importante. Através de plataformas integradas e de ferramentas como o Big Data Analytics, as instituições podem compreender melhor o perfil e o desempenho dos corpos docente e discente das instituições, otimizando avaliações, decisões corporativas e estratégias dos centros educacionais.