AvaliaçãoCapacitação Docente

Os dilemas da reprovação, segundo alunos, professores e esta pesquisa

0

O ano era 2012 e pela terceira vez o professor Ricardo Fragelli, da Universidade de Brasília (UnB), recebia a mesma aluna para a disciplina de cálculo.

“O histórico de notas dela ia de zero a três”, relembra o docente. “Ela tinha sérios problemas em casa, e no ambiente de prova sentia que as pessoas a estavam vigiando. Foi então que a psicóloga da universidade perguntou se eu poderia fazer alguma coisa a respeito.”

Fragelli, um desenvolvedor de diversos modelos de ensino e de aprendizagem colaborativos, decidiu customizar uma prova para a estudante. Ela realizou o exame fora da sala de aula, em um laboratório de pesquisas.

“Eu disse: ‘Você tem o tempo que quiser para fazer a prova. Se não se sentir confortável, dobre a folha e a leve pra casa. Encontraremos outro jeito de avaliar.’”

Não precisou. A estudante fez a prova em uma hora e meia. E tirou nota 9. Portanto, dominava o conteúdo, constatou o professor. Mas realizar a avaliação em ambiente de pressão, vigilância e competição (entre alunos) era um sério problema, o principal embrião de sua repetência.

Fragelli, da UnB, constatou que aluna dominava conteúdo, apesar de repetir a disciplina pela terceira vez. Crédito: Amália Gonçalves/Secom UnB.

Reprovar alunos: contra ou a favor?

A reprovação é quase sempre frustrante – seja na sexta série, no ensino médio ou na faculdade. Além de atrasar a formação, a repetência pode desencadear sentimentos de inferioridade. O aluno começa a questionar o próprio potencial, reduzindo ainda mais o desempenho e agravando os problemas extraclasse. Num desfecho trágico, opta pela evasão.

Leia mais: Por que depressão e ansiedade afetam cada vez mais universitários

“Se o aluno não alcançou o desempenho esperado, não foi porque quis, mas porque não conseguiu. Dificilmente alguém quer falhar”, avalia Maria Alice Carraturi, presidente da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp) e ex-diretora de formação e desenvolvimento de profissionais na Secretaria de Educação Básica (SEB), órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC).

A boa notícia é que, quanto mais conhecem os efeitos negativos da repetência, menos os professores concordam com a prática. É o que mostra uma pesquisa promovida pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec).

Divulgado em 2016, o estudo foi feito com mais de 5 mil professores de ensino básico e de ensino médio do estado de São Paulo. Apesar do recorte específico, especialistas consultados pelo portal Desafios da Educação concordam que a pesquisa também serve de retrato à educação em geral– incluindo nas demais regiões do Brasil e o ensino superior.

O estudo do Cenpec mostra que:

  • 9,4% dos professores são a favor da reprovação quando a média não é alcançada;
  • 13% não consideram a reprovação uma boa medida;
  • e 78% não concordam nem discordam totalmente da ação.

Aqueles que são favoráveis à reprovação acreditam que a meritocracia é um bom critério de distribuição do conhecimento. Esses professores são mais ligados às políticas de educação implantadas no país na década de 1990 ou acumulam menos experiência na docência.

O perfil de quem não concorda em reprovar é mais escolarizado. Segundo o Cenpec, ter feito mestrado ou doutorado e conhecer mais resultados de pesquisas sobre os efeitos sociais e emocionais da reprovação e os impactos sobre a trajetória do estudante colabora para o posicionamento.

Modelo em xeque

Ana Valeria Reis é pesquisadora em metodologias ativas, aprendizagem ativa e resultados de aprendizagem. Para ela, o modelo avaliativo que aprova e reprova ratifica a discriminação e endossa os critérios de seletividade em prol do aluno ideal.

“A pressão, o medo, o controle e o poder expressos nessas práticas retratam os mecanismos de uma sociedade que atua com princípios excludentes antidemocráticos e desiguais”, avalia Reis, que também é professora da faculdade Eniac, em Guarulhos (SP).

A educadora defende uma avaliação que, além de dados teóricos, quantitativos e classificatórios, contemple os múltiplos fatores que contribuem aos processos de aprendizagem.

Nessa lógica, o bem-estar do estudante deve ficar atrelado ao ambiente em que aprende, à atenção que recebe do professor, à interação que se promove entre os colegas e ao poder que se atribui às qualidades, fraquezas e habilidades.

Leia mais: O diferencial das competências emocionais na educação

Abandono e falta de sensibilidade

Para a estudante de Letras da Universidade Federal do Pará (UFPA), Paola Sarmento, a reprovação nem chega a ser o maior dos problemas. O pior, mesmo, é a falta de incentivo e a sensação de abandono por parte da instituição.

Quando estava no segundo período, Sarmento fez fonologia e fonética do inglês – para ela, a disciplina mais difícil do curso até então. Apesar de não exigir conhecimento prévio do idioma, a matéria não tinha preparação técnica para acolher e instruir os alunos com pouco conhecimento, segundo a estudante.

Ela explica: “A professora era impaciente e não gostava da turma porque tinha mais alunos do que a sala comportava.” Em muitas aulas, a solução era dividir um computador, que deveria ser de uso individual, entre três ou quatro pessoas.

Muitos dos colegas de Sarmento eram fluentes na língua inglesa – e isso se mostrou um problema. “Eu estava no nível intermediário e havia [na sala] quem não soubesse nada”, ela diz. “Os que dominavam a língua achavam graça de nós e faziam piada. Ficávamos acanhados.”

O mal-estar em sala de aula levou Sarmento à reprovação na segunda prova da disciplina. Foi quando a estudante se sentiu desestimulada a continuar.

“Ao me sair péssima [na prova], desisti da disciplina antes de termina-la – e não fui a única. No fim, os aprovados foram os que eram fluentes na língua”, conta Sarmento, que cursou a disciplina posteriormente com outro professor. E foi aprovada.

Leia mais: Engajar o aluno não é fácil, mas tem seu valor

Alunos do Cristo Rei Colégio de Marília, durante simulado. Crédito: divulgação.

É necessário que o professor reconheça seu papel no contexto da reprovação, diz Maria Alice Carraturi, da Univesp. “Ele é quem decide se o aluno prossegue ou não os estudos. É uma avaliação delicada, pois tanto uma quanto a outra decisão pode acarretar prejuízos para o aluno.”

Se por um lado a reprovação pode desencadear sentimentos de inferioridade, agravar desafios extraclasse e resultar em evasão, por outro a aprovação de um aluno com baixo desempenho também pode afetar sua competitividade.

“Há cada vez mais profissionais aceitando tarefas e ocupações inferiores porque obtiveram o diploma por obter, sem desenvolver as competências que o mercado exige”, explica Carraturi. Sem contar que, por ser fácil demais passar, os jovens podem não se comprometer efetivamente com as aulas.

Leia mais: Educação ruim corta potencial produtivo do brasileiro pela metade

Reprovar pode não ser a solução. E aprovar quem não aprendeu pode ser pior ainda.

Reprovação (e gestão) com ética

Doutora em Educação pela PUC-Rio, Andrea Ramal diz que fazer os estudantes repetirem o ano, o semestre ou o módulo para ver os mesmos conteúdos, com a mesma metodologia e os mesmos professores é uma atitude ultrapassada. Para ela, a prática além de antiquada é cômoda, cara e ineficiente.

Em um texto publicado em seu blog, Ramal conta que na Finlândia os professores são orientados a dedicar mais tempo aos estudantes com dificuldades. Assim, a taxa de reprovação é de 2%. Em Hong Kong, quando um professor tem mais de 3% dos alunos com baixo desempenho, uma comissão avalia o trabalho do docente.

“Já o Brasil é um dos países que mais reprovam”, escreveu ela. “São quase 3 bilhões de dólares/ano gastos além do necessário, só nos anos finais da escolaridade.”

“O pior”, continua ela, “é que, como mostram as pesquisas qualitativas e quantitativas, há grande relação entre repetência e evasão” – este um dos principais desafios do país. Não só por prejudicar a qualificação dos brasileiros, mas também por ferir, no setor privado, a saúde financeira das instituições.

Nos Estados Unidos, os dilemas da repetência também existem. Recentemente, um professor universitário escreveu anonimamente ao jornal The New York Times, queixando-se do problema.

“Como muitas escolas em busca de dinheiro, minha universidade aumentou substancialmente o número de matrículas. Para isso, tem admitido mais e mais alunos que não estão academicamente preparados para a faculdade. Meus colegas acabam reprovando uma proporção extremamente grande deles. Outros professores, para evitar isso, simplesmente permitem que todos passem”.

Segundo o professor, que ministra aulas em uma universidade estadual (nos Estados Unidos, a maioria das universidades públicas é estadual e paga), o governo reage dizendo que o corpo docente deve dar mais auxílio aos alunos enfraquecidos.

“Isso não é possível, dado o alto número de alunos despreparados”, rebate o professor. “E a maioria dos alunos não está suficientemente motivada ou não tem tempo para comparecer ao horário de expediente. O que é uma estratégia ética para um membro do corpo docente nesta situação? Eu costumava amar ensinar. Agora, simplesmente não sei o que fazer.”

Nos Estados Unidos ou no Brasil, eis uma questão que merece ser reavaliada.

Leia mais: 5 maneiras para o professor inovar no próximo semestre

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.