Capacitação DocenteMetodologias de ensino

Como nascem as metodologias de ensino colaborativas

0

O general espartano Leônidas posicionou seus 300 homens em frente a uma estreita formação rochosa, à beira de um desfiladeiro, na região grega das Termópilas. A missão era criar um muro humano e brecar o avanço do exército persa.

Cada homem protegia o companheiro ao lado com seu escudo, tornando o regimento quase intransponível. No entanto, o estratagema não foi suficiente e os espartanos perderam o conflito. Efialtes, um aspirante a soldado, renegado por ser corcunda, traiu seu povo e mostrou um caminho pelo qual os persas poderiam driblar a barreira.

A Batalha das Termópilas, ocorrida em 480 a.C, entrou para a história como um símbolo do trabalho em equipe. Mas foi na frustração de Efialtes que o engenheiro e professor Ricardo Fragelli encontrou a chave para criar o Método Trezentos – uma estratégia de ensino inclusiva, marcada pela colaboração entre os alunos.

“Quando preterido ou excluído do grupo, o estudante não se sente bem. Como isso acontece muito em sala de aula, o Método Trezentos busca estabelecer um novo patamar de aprendizagem, evitando o isolamento e garantindo a motivação”, afirma Fragelli, doutor em Ciências Mecânicas pela Universidade de Brasília (UnB) e docente da instituição.

A proposta do Método Trezentos é equilibrar os conhecimentos da turma e estimular a cooperação. O modelo cria grupos de estudos mistos, formados por alunos com desempenhos distintos nas provas: os melhores ajudam quem não foi tão bem.

Leia mais: 5 maneiras para o professor inovar no próximo semestre

Aqueles integrantes com notas baixas podem repetir os exames, desde que cumpram algumas metas de participação no grupo. Já os mentores ganham pontos extras se os colegas evoluírem.

O Método Trezentos começou a ser aplicado nas turmas de Cálculo 1 em 2013. A disciplina é caracterizada por altos índices de reprovação. Na UnB, por exemplo, o sistema fez a aprovação saltar de 50% para 95%.

“Além de possibilitar que o aluno aprenda ensinando, a interação traz um ganho de diversidade. Muitos participantes dizem ter passado a admirar os ‘estranhos’ da turma”, conta Fragelli, em entrevista ao Desafios da Educação.

Em 2015, o projeto ganhou o Prêmio Santander Guia do Estudante na categoria Apoio ao Estudante. Os cases de sucesso e o roteiro de aplicação do modelo em diferentes contextos de aprendizagem estão no livro Método Trezentos: Aprendizagem ativa e colaborativa, para além do conteúdo, lançado em 2018 pela Editora Penso.

>>BAIXE UMA AMOSTRA DO LIVRO “MÉTODO TREZENTOS: APRENDIZAGEM ATIVA E COLABORATIVA, PARA ALÉM DO CONTEÚDO”<<

Felicidade que engaja

O Trezentos é apenas uma das metodologias colaborativas criadas por Ricardo Fragelli. Ele começou a lecionar com 23 anos, em 2002, dois anos após concluir o curso de Engenharia Mecânica na UnB.

Fragelli dava aulas particulares de matemática e física. São disciplinas nada benquistas pelos alunos. Mas o jeito como o professor as ensinava conquistava os estudantes. Às vezes em menos de um mês. “Minhas aulas nunca foram tradicionais e sempre buscaram resgatar o interesse dos alunos pela ciência”, diz.

Seu primeiro método de ensino colaborativo surgiu em 2003. Chamada de Rei da Derivada, a estratégia é uma espécie de campeonato de resolução de equações. A primeira etapa de exercícios é realizada em duplas, com os pares sendo modificados a cada novo desafio.

Já na fase final, os classificados devem solucionar os cálculos individualmente. O sistema pode ser aplicado em disciplinas exatas ou humanas e já foi adotado em uma série de universidades – como a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) –, além de escolas dos ensinos fundamental e médio.

Leia mais: Para José Moran, metodologias ativas requerem engajamento

Outra inovação de Fragelli é o Summaê – Somas com Chapéu. Nesse modelo, os alunos resolvem problemas apresentados em vídeos criativos, que trazem montagens de filmes ou são protagonizados por celebridades e pessoas da comunidade.

Todos os participantes, incluindo os professores, devem utilizar um chapéu durante o evento. A ideia é criar um sentimento gregário entre alunos e docentes, transformando a resolução de cálculos diferenciais e integrados numa atividade lúdica e divertida.

A leveza é um dos pilares das metodologias criadas pelo professor. “Comecei a pensar em novos sistemas para que os alunos se sentissem mais felizes durante as aulas”, lembra. Os modelos de Ricardo Fragelli, desse modo, vão além do aprendizado e trazem um importante fator de acolhimento.

Ele costuma dizer que, em vez de apenas preparar alunos para serem águias, capazes de alçar altos voos, prefere também treiná-los como rouxinóis, cujo canto pode envolver a todos ao redor. “O engajamento é a base da educação. Porém, o mais importante é tirar as pessoas do isolamento”, ressalta.

Leia mais: Jon Bergmann explica o conceito de sala de aula invertida

FOTO EM DESTAQUE: RICARDO FRAGELLI, AUTOR DO LIVRO MÉTODO TREZENTOS. CRÉDITO: ARQUIVO PESSOAL.
Leonardo Pujol
Leonardo Pujol é editor do Desafios da Educação e sócio-diretor da República – Agência de Conteúdo.

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Comentários fechados.