EdTechTecnologia Educacional

Dia da Educação: especialistas debatem futuro com ensino híbrido e metaverso

0

Evento híbrido reuniu educadores na sede da +A Educação. Crédito: Gabriela Becker/divulgação.

Afinal, a educação será híbrida? Quais são as barreiras e oportunidades para esse novo modelo? Qual é a importância das competências socioemocionais? Quando o metaverso finalmente chega à educação? E como engajar os alunos depois de uma pandemia? Para responder perguntas como essas, diversos especialistas e pesquisadores se reuniram (de forma híbrida) no Dia da Educação, 28 de abril, para debater o futuro do setor. O evento foi transmitido da sede da edtech +A Educação.

Para Lilian Bacich, diretora da Tríade Educacional e uma das pioneiras em pesquisa sobre ensino híbrido, o primeiro passo é obter clareza sobre o modelo que está em voga. “É preciso entender o ensino híbrido para de fato conhecer seu potencial. Apenas levar a tecnologia à instituição não faz diferença. É preciso fazer o aluno construir conhecimento”, afirmou.

Segundo Bacich, a educação deve ser mais metodológica do que tecnológica, e as competências socioemocionais precisam ter lugar de destaque em qualquer formação. “É preciso aprender a ser criativo, resiliente, a se comunicar, a argumentar, entre tantas outras coisas. Não dá para olhar essas questões como efeito colateral dos currículos. Quando falamos em ensino híbrido, falamos dessa união. Os docentes precisam entender que as tecnologias não vão substituir o seu trabalho. Vêm para complementá-lo”.

Leia mais: Livro apresenta 10 métodos para ensinar competências em sala de aula

Evento foi apresentado por Celso Kiperman e Adriane Kperman; na tela, Lilian Bacich e Vidal Martins.

O vice-reitor da PUCPR, Vidal Martins, foi questionado sobre a mudança cultural necessária para que professores e estudantes percebam o valor da tecnologia nos processos de aprendizagem. Para ele, tudo começa com metodologia. “Primeiro, a gente direciona para uma ideia de aprendizagem. Depois entra a tecnologia.”

Foi com essa mentalidade que, após o desembarque da pandemia no Brasil, a PUCPR migrou toda a operação do ensino presencial para o digital em apenas seis dias. “Já tínhamos uma cultura estabelecida para o uso das tecnologias digitais. Isso passou por muita formação docente e pela noção de que a tecnologia é meio e não fim”, explicou.  O vice-reitor ainda destacou quatro pontos para não perder a qualidade do ensino usando as tecnologias:

  • Trabalhar com um modelo de aprendizagem e não de instrução;
  • Uma aprendizagem profunda e duradoura precisa de interação, da comunidade, da troca de ideias. E a tecnologia facilita isso, mas é preciso ter intencionalidade. É preciso desenhar a experiência dos estudantes com objetivos;
  • Atenção ao engajamento. Se você é conteudista, e está no paradigma instrucional, você não gera engajamento;
  • É preciso ter um compromisso com a educação de qualidade, com a tecnologia inserida nesse processo criando novas possibilidades.

Leia mais: O impacto da tecnologia 5G na educação

Ensino personalizado

Para Gustavo Hoffmann, fellow em inovação acadêmica na Universidade Harvard, o cerne da discussão está no motivo – no por que mudar os modelos de ensino. “Estamos formando pessoas para trabalhos do futuro – muitos dos quais nem conhecemos hoje. Em breve, as competências que nos trouxeram até aqui não vão mais existir. Cada vez mais as soft skills vão ser valorizadas. É fundamental trabalhar as competências socioemocionais, essas dificilmente vão ser substituídas pelas tecnologias.”

Para Gustavo Hoffmann, sala de aula deve ser dedicada à aplicação do conhecimento.

Existem dois motivos principais pelos quais as instituições deveriam mudar o modelo tradicional de ensino, segundo Hoffmann. O primeiro é que 15 dias depois de uma aula expositiva os alunos já não lembram de 75% do que foi dito pelo professor. O segundo motivo é que cada aluno tem o próprio ritmo de aprendizagem.

“Quando colocamos 50 estudantes dentro de uma sala de aula, não respeitamos o ritmo de cada um. Quando disponibilizamos o conteúdo em plataformas, os alunos podem aprender no seu tempo. Assim, os momentos em sala de aula são dedicados à aplicação do conhecimento”, defendeu. “Voltar ao que era antes é um retrocesso. A gente quebrou muito preconceitos. Temos um momento propício para grandes transformações”, assegurou. Sobre o papel do professor, Hoffmann foi categórico: “A solução passa pela formação docente, mas, antes, pela mudança cultural da instituição”.

Também presente no evento, Fagner de Deus, CTO da +A Educação, defendeu que metodologia e tecnologia precisam caminhar juntas para funcionarem. “É necessário ter um pensamento pedagógico por trás de cada tecnologia. Um laboratório virtual, por exemplo, permite que um estudante possa experimentar uma situação diversas vezes. Bem mais do que conseguiria em um ambiente real. Isso potencializa muito a aprendizagem”, garantiu.

Fagner de Deus: “Elementos de metaverso que já fazem parte das rotinas educacionais”.

Ao ser questionado sobre quando o metaverso chega às escolas e universidades, o executivo disse que do ponto de vista conceitual já chegou. “Não existe uma transposição concreta, mas elementos de metaverso que já fazem parte das rotinas educacionais”, afirmou. “Mas depende muito da intencionalidade com que esses elementos são usados, e de cada instituição e professor.” Segundo Fagner de Deus, a adesão de big techs será essencial para acelerar a chegada do metaverso.

Liderado por Celso Kiperman, CEO da +A Educação, e dirigido por Adriane Kiperman, diretora de conteúdo da companhia e publisher do portal Desafios da Educação, o evento contou ainda com a participação especial dos pesquisadores americanos Dennis Shirley e Andy Hargreaves.

Autores do recém-lançado Cinco Caminhos para o Engajamento – Rumo ao Aprendizado e ao Sucesso do Estudante (editora Penso, 2022), eles compartilharam impressões sobre os aprendizados obtidos com a pandemia, especialmente no que diz respeito aos níveis de engajamento e ao bem-estar dos alunos. “Não temos apenas que aprender matemática ou literatura”, disse Andy Hargreaves, que leciona nas universidades de Boston (EUA) e Ottawa (Canadá). “Se você não está bem, todo o seu ensino vai sofrer.”

O evento alusivo ao Dia da Educação terminou com uma visita guiada pelas instalações da +A Educação, incluindo ao espaço maker e ao Edtech Room, ambiente que reforça o impacto positivo das experiências imersivas e das metodologias pedagógicas em sala de aula. A íntegra do encontro está disponível no YouTube.

Leia mais: 3 benefícios pedagógicos das tecnologias imersivas

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.