EmpregabilidadeGestão

Universidades capacitam alunos para trabalhar e fundar startups

0

A consolidação das startups tem atraído cada vez mais jovens no Brasil. Um levantamento recente, feito com 357 alunos de instituições de ensino de ponta – como USP, PUC-RJ e FGV –, mostrou que 37% dos estudantes demonstram interesse em fundar ou trabalhar em startups de tecnologia.

Não é de se impressionar. Afinal, jovens entre 18 e 34 anos eram 57% dos empreendedores de negócios em fase inicial em 2017, segundo o relatório Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizado anualmente pelo Sebrae.

O segmento das startups é atrativo aos estudantes por uma série de razões. Entre elas estão a possibilidade de crescimento profissional, bons salários e maior qualidade de vida.

O potencial de mercado também é levado em conta pelos universitários. Se 2017 o número de empreendimentos cadastrados pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) era de 5,1 mil, hoje são mais de 15 mil. Edtechs – startups de educação – são maioria.

Leia mais: Startups de educação crescem 20% ao ano – e confirmam força do setor

São Paulo, enquanto polo de negócios, é o estado com maior número de startups –3,1 mil no total. Das 25 startups mais visadas por quem procura emprego, 17 são paulistas, segundo o ranking LinkedIn Top Companies.

IES devem readequar planos de ensino

Cientes do interesse dos alunos e do potencial do mercado, as instituições de ensino superior (IES) poderiam readequar os planos de ensino, convergindo-os para uma aprendizagem focada nas competências exigidas por startups. O problema é que muitas escolas pecam no básico.

Segundo o estudo Empreendedorismo nas Universidades Brasileiras, realizado em 2016 pela Endeavor em parceria com o Sebrae, apenas 28,4% dos universitários que responderam ao questionário haviam cursado uma disciplina específica sobre empreendedorismo. Destes, um terço diz não ter feito a disciplina por desconhecer que a IES a oferecia – ou mesmo por não existir a opção.

Dos cursos de Engenharia e Ciências Sociais aplicadas (Administração e outras) mapeados pelo estudo, 50% ofertam disciplinas sobre a temática empreendedora. Em outras áreas de conhecimento, como em Ciências Agrárias, na Saúde e humanas, a porcentagem cai para 30%.

Leia mais: No ensino superior, empreendedorismo tem mais teoria do que prática

Para fomentar a empregabilidade em startups, as universidades podem propor trabalhos e discussões nas disciplinas. Promoção de eventos e de incubadoras são alternativas para estimular criatividade e visão empreendedora.

A Universidade de São Paulo (USP) é um dos principais benchmarks brasileiros nesse sentido: a IES é a mais bem avaliada no quesito empregabilidade nas duas últimas edições do Graduate Employability Rankings e a primeira colocada no Ranking Nacional de Universidades Empreendedoras.

Quatro unicórnios – startups com valor de mercado superior a US$1 bilhão – foram fundadas por alunos ou ex-alunos da USP. Em 2018, as empresas incubadas na IES faturaram R$41,7 milhões.

Leia mais: Como o mercado de trabalho reconfigura o ensino superior

O exemplo da USP

Universitários durante apresentação de trabalho na USP. Crédito: divulgação.

A USP oferta 153 disciplinas sobre inovação, cultura empreendedora, criação de negócio e comercialização e vendas. A maioria é presencial. Alunos na graduação e pós-graduação de áreas como Comunicação e Saúde aprendem como criar uma empresa, produto e planos de negócio. Temas como legislação específica e planejamento financeiro também são abordados.

Em 2017, a universidade fundou a própria aceleradora de startups, a PoliStart. A iniciativa conecta alunos de Engenharia ao mercado exterior, incluindo investidores e provedores de tecnologia. Em um espaço de coworking, os negócios selecionados recebem mentoria e o capital necessário para transformarem suas ideias em negócios.

Diferente de outras aceleradoras, a PoliStart seleciona projetos ainda em pré-aceleração (fase de ideação). Também atua em corporate ventures, buscando empresas que assumam sociedade às startups dos alunos. Já através de venture building a equipe da aceleradora encontra ideias de negócios e designa alunos para executá-las.

Leia mais: Instituições de ensino incorporam soft skills ao vestibular

O Núcleo de Empreendedorismo (NEU) é outra estrutura disponível. Fundada em 2011, a pré-aceleradora de startups na universidade disponibiliza mentores que orientam o desenvolvimento e expansão de projetos.

O grupo organiza diversos eventos para universitários que buscam melhorar sua empregabilidade em startups. Um deles é o Ser Empreendedor, competição em que desenvolvem aplicativos ao decorrer de uma semana.

O que querem as startups

A habilidade empreendedora é, sim, importante para fundar ou trabalhar numa startup. Mas não é a única. Outra competência altamente valorizada é a resiliência.

“Também é preciso estar antenado nas tendências, nas questões jurídicas e contábeis de ter um negócio. Afinal, [empreender] não é um hobby”, acrescenta o presidente da Abstartups, Amure Pinho.

A sugestão é a mesma para estagiários e funcionários de startups. E mais. Segundo Samir Iásbeck, CEO da Qranio, startup que usa gamificação para desenvolver competências técnicas e socioemocionais, os recrutadores também valorizam “questões técnicas, o caráter e o desejo” em trabalhar.

Leia mais: Por que se fala tanto em competências para a educação?

Fazer carreira numa startup traz diversas vantagens, frisa Iásbeck. O crescimento na carreira é mais fácil e rápido, além dos salários mais altos se comparados a outros modelos de empresa. A Qranio é prova disso: devido ao bom desempenho, cinco funcionários viram sócios da startup.

Se o estudante pensa em empreender, Iásbeck alerta que nem todo mundo que tem perfil para atuar na área. Saber lidar com as responsabilidades e os altos e baixos do mercado é essencial à saúde mental do empreendedor – e para a saúde financeira da startup.

Leia mais: 7 competências para o futuro do trabalho

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.