Empresas para ficar de olho em 2018

O ensino privado brasileiro resistiu aos efeitos da recessão econômica e manteve o ritmo de crescimento em 2017. As instituições de ensino superior, por exemplo, conseguiram cumprir a meta em investimentos, fechando o último ano com saldo positivo, especialmente na educação a distância (EAD).

Grupos como Kroton, Laureate e Estácio injetaram, juntos, cerca de R$ 50 bilhões em suas instituições. Um percentual importante desses aportes foi destinado à melhoria dos recursos tecnológicos. Lá fora, as inovações também receberam atenção. As escolas norte-americanas gastaram 4,9 bilhões de dólares em computação, de acordo com um relatório do International Data Corporation (IDC). E não se trata apenas do ensino superior, mas de todos os níveis de educação – tanto que até a rede básica já começou a utilizar e-learning em países como Chile e Estados Unidos.

Apesar dos investimentos, o contingente de alunos graduados em cursos de tecnologia ainda apresenta um gap importante relacionado às questões práticas. Apenas 10% dos profissionais recém-formados possuem habilidades plenas para trabalhar e desenvolver projetos, segundo o IDC.

Atentas a essa lacuna, algumas universidades e empresas estão disponibilizando cursos profissionalizantes para o setor. É o caso da PLATO. Criada nos anos 1960, a marca foi uma das pioneiras mundiais em aprendizagem de massa e e-learning. Por aqui, players como Unip, Laureate Uninove e Ser Educacional seguem o mesmo caminho e comandam o número de matrículas desse modelo de capacitação, conforme os dados da consultoria Hoper.

Ano promissor

Com a previsão de recuperação da economia, o setor de educação privada deve continuar movimentando altos investimentos em 2018. Um exemplo disso é a entrada da rede global Avenues, que abrirá uma filial em São Paulo, capital, a partir do segundo semestre deste ano. A marca aportará R$ 150 milhões para iniciar a operação no Brasil. Além disso, a área de tecnologia voltada ao ensino será novamente fundamental para garantir um bom ritmo de evolução do mercado.

A seguir, confira algumas das empresas desse segmento que deverão ganhar destaque ao longo do ano:

Udacity

Desenvolvida por Sebastian Thrun (cofundador da Google X e um dos papas da robótica), a plataforma online de educação mais acessada do mundo teve origem no Vale do Silício, EUA, em 2011. A proposta da Udacity é formar profissionais para atuar com tecnologia de ponta. Inteligência artificial, programação e robótica são algumas das áreas de foco da empresa – que atua em parceria com gigantes como Google e Facebook. A estratégia da marca é corajosa: dobrar o PIB dos países onde tem operações, levando educação a todos e capacitando pessoas para as indústrias de ponta. Vale a pena acompanhá-los.

Edx
Desenvolvida pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e pela Universidade de Harvard, e a Coursera, que tem mais de 3 milhões inscritos, também prometem capacitar milhares de alunos com cursos nas áreas de arquitetura, estatística, economia, computação, filosofia e direito, entre outros.

Blackboard
Pioneira em tecnologia educacional, a Blackboard gerencia sistemas de aprendizagem online há duas décadas. A empresa, agora, criou novas frentes de atuação para desenvolver soluções de inteligência artificial, linguagem, acessibilidade e big data voltadas ao setor de ensino.

Fundação Lemann
Sem fins lucrativos, a entidade desenvolve projetos em educação por meio de pesquisa e criação de programas de gestão desde 2002. O principal objetivo é encontrar soluções para problemas educacionais e sociais do Brasil, seja implementando tecnologia em escolas, disponibilizando materiais no YouTube ou capacitando professores em metodologias ativas, como o ensino híbrido. Inclusive, uma de suas propostas mais audaciosas é levar as metodologias ativas para o ensino básico.

SAGAH
A SAGAH oferece soluções em tecnologia e conteúdo com base em metodologias inovadoras. A partir da criação de conteúdo, a empresa desenvolveu um modelo que mescla técnicas de ensino de vanguarda, como aprendizagem baseada em projetos, aprendizagem por equipes e instrução por pares (Peer Instruction). Desta forma, a SAGAH vem conquistando cada vez mais clientes entre as universidades de EAD do Brasil.

Master Tech
Startups como a Master Tech pretendem mudar o jeito como os jovens aprendem. Uma das formas de fazer isso é oferecendo capacitação em tecnologia para as organizações. O diferencial é que a empresa promete qualificar os profissionais em até oito semanas.