EADMERCADO

EAD: em cinco anos, modalidade terá mais matrículas que presencial

0
Projeção é de crescimento do EAD – enquanto modalidade presencial, hoje com 67% das matrículas, terá 49% em 2023

Modalidade presencial, hoje com 67% das matrículas, terá 49% em 2023. (FOTO: Tania Rêgo/Agência Brasil)

A educação a distância (EAD) terá mais matrículas do que o ensino presencial até 2023. A previsão é do estudo Um ano do Decreto EAD – O impacto da educação a distância na expansão do ensino superior brasileiro, realizado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) em conjunto com a Educa Insights.

A projeção, divulgada na terça-feira, 22 de maio, considera os dados deste ano. No primeiro semestre de 2018, o crescimento do EAD no ensino privado foi de 16% – foram 132 mil matrículas. Se o ritmo for mantido, no acumulado dos próximos cinco anos serão 2,27 milhões de novos alunos na educação a distância, o correspondente a 51% do total, enquanto os cursos presenciais receberão 1,99 milhão de estudantes.

“É uma boa notícia, significa a ampliação do acesso ao ensino superior”, disse Celso Niskier, vice-presidente da ABMES, ao jornal O Globo. “Determinadas faixas da população que não tinham essa oportunidade, seja porque são mais velhos e não queriam voltar a estudar da forma tradicional, ou porque são trabalhadores que não têm disponibilidade de voltar a ser aluno por tempo integral, agora voltaram a estudar.”

Os dados da ABMES convergem com os do último Censo da Educação Superior, divulgados no ano passado pelo Ministério da Educação (MEC), que já apontavam um crescimento do EAD. Segundo o levantamento, só em 2016 as instituições privadas totalizaram 818 mil ingressantes. Isso significa 33% das matrículas, ante 20% em 2010.

O crescimento do EAD: as matrículas no ambiente privado

[cmsmasters_stats shortcode_id=”xtiefjhkv” mode=”bars” type=”horizontal” count=”5″ animation=”bounceInRight” animation_delay=”0″][cmsmasters_stat shortcode_id=”n7vriez1la” progress=”20″]2010[/cmsmasters_stat][cmsmasters_stat shortcode_id=”1t9xkxn8kn” progress=”33″]2016[/cmsmasters_stat][cmsmasters_stat shortcode_id=”jt4v3463cg” progress=”51″]2023[/cmsmasters_stat][/cmsmasters_stats]

Fonte: Censo da Educação Superior 2016, com projeção da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior.

Segundo os dirigentes da ABMES, o crescimento do EAD corresponde ao declínio nos contratos do Fies, que financiavam a entrada no ensino presencial. Além disso, até 2023 haverá um amadurecimento das mudanças impostas pelo marco regulatório decretado no ano passado. O documento impôs que os cursos EAD tenham presencialidade mínima de 30% na carga horária das aulas.

“A resistência à modalidade EAD praticamente se desfaz quando o estudante tem conhecimento de que a parte prática do curso é oferecida de modo presencial”, analisou Janguiê Diniz, diretor presidente da ABMES, em entrevista ao site da entidade.

LEIA MAIS: Censo EAD Brasil – um raio-X da modalidade

Ainda segundo a pesquisa da ABMES – que ouviu 1.012 pessoas de todas as regiões do país, com interesse em cursar o ensino superior ou que estão na universidade –, os jovens são os que mais preferem a modalidade presencial (53% têm até 30 anos). Dentre os que preferem o EAD, 67% têm mais de 30 anos.

Quando os entrevistados são informados de que o curso oferece toda a parte prática de maneira presencial, a aprovação aumenta: 93% dos participantes ingressariam na modalidade EAD se a parte prática do conteúdo fosse ministrada presencialmente. Os outros 7% acham que os cursos a distância ainda não são bem avaliados no mercado, além de temerem a falta de suporte online da universidade.

Redação
A redação do Desafios da Educação é composta de jornalistas, educadores e especialistas em educação superior.

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Comentários fechados.