Como a cooperação pode melhorar a competitividade entre IES

As Redes de Cooperação rompem com o isolamento e oportunizam o crescimento das IES

Cada vez mais, a cooperação se consolida como uma excelente estratégia entre instituições de ensino superior. A conclusão é do professor Fábio Reis, do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal); e do economista Rodrigo Capelato, ambos executivos do Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino superior no Estado de São Paulo (Semesp).

Reis e Capelato lideraram as primeiras Redes de Cooperação no Brasil. E esse trabalho tem agora seu primeiro ano de desenvolvimento relatado em Redes de Cooperação no Ensino Superior – Sinergia e Sustentabilidade, novo e-book da editora Penso. Organizadora do livro, a dupla contou com a colaboração de outros especialistas para elencar experiências, vantagens e o potencial das Redes de Cooperação para a promoção de soluções e resultados coletivos entre IES.

“As Redes Regionais de Cooperação representam uma alternativa para as IES romperem com o isolamento, buscarem qualificação, sugerirem novos produtos e serviços e alcançarem níveis de qualidade percebidos e reconhecidos pela sociedade”, escrevem os organizadores.

O experimento teve início em 2017 com a formação de três redes. Cada uma contou com um número de três a seis IES de pequeno e médio porte, todas elas de São Paulo:

  • Rede 1 – A “rede pioneira” nasceu na região de Campinas, entre a Universidade São Francisco (USF), o Centro Universitário Hermínio Ometto (Uniararas) e o Centro Universitário Octávio Bastos (Unifeob). Desde os primeiros encontros, que iniciaram em janeiro de 2017, são debatidas questões de natureza administrativa – como Enade, financiamento estudantil e plano de carreira – e acadêmica, entre elas os desafios da educação no ensino superior e a adoção da metodologia EAD.
  • Rede 2 – Formada por instituições de Catanduva, Barretos e Votuporanga – Faculdades Integradas Padre Albino (FIPA), Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos (Unifeb) e Centro Universitário de Votuporanga (Unifev), respectivamente. O foco da rede é inovação, oferta de cursos EAD, metodologias ativas e plano de carreira.
  • Rede 3 – O grande trunfo está no compartilhamento de informações entre as IES – como aprendizagem de metodologias ativas, internacionalização e saúde. As beneficiadas incluem: Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO), Associação de Ensino de Botucatu (Unifac), Faculdade de Agudos (FAAG), Faculdade Flamingo, Faculdades Integradas Einstein de Limeira e Faculdades Rio Branco.

Primeiras impressões

Nas páginas iniciais da obra, os autores detalham os mecanismos de cooperação entre as IES. As alianças podem ser informais ou oficializadas em contrato. Nesse sentido, os grupos podem se unir tanto para projetos isolados como para a difusão de informações sobre o setor. Além disso, também são debatidos treinamento de pessoal e aplicação de sistemas de boas práticas, entre outros temas. Além de reduzir custos, as parcerias também garantem maior poder de negociação. Confira as principais vantagens:

– Intercâmbio de disciplinas e campus entre as IES

– Bibliotecas compartilhadas

– Cursos de qualificação profissional para docentes e funcionários das IES parceiras

– Estratégias de marketing e captação de alunos

– Adoção de metodologias de ensino com base na experiência das IES da rede

No artigo introdutório do livro, os organizadores aconselham as IES a não esperarem o momento de adversidade para integrar uma Rede de Cooperação. Também recomendam que, em busca de sinergia entre ações e propósitos, as redes sejam compostas por IES que compartilham valores semelhantes.

Internamente, dizem eles, é necessário despertar na equipe um senso coletivo. Aqui, revisão formal e periódica, assim como a apresentação regular dos resultados para todos os envolvidos, são fundamentais para o sucesso das Redes de Cooperação. Diante das mudanças e fusões que têm concentrado ainda mais o setor de ensino superior no Brasil, as Redes de Cooperação se tornam uma saída viável para a competitividade.

Para os especialistas, o grande problema do país, no entanto, está na ausência de cultura colaborativa. De maneira clara e direta: muitos gestores ainda acreditam na existência de um suposto “segredo estratégico”, com medo que suas ações percam potencialidade quando compartilhadas. Reis e Capelato defendem que ao firmar laços de colaboração, as IES de pequeno e médio porte se fortalecem para fazer frente aos grandes players do mercado.

Ao longo do período abordado no livro, as três redes pioneiras contabilizaram economias, qualificação dos serviços e conquistaram segurança competitiva frente às grandes redes. A expectativa, agora, é encerrar 2018 com 13 grupos de cooperação – conforme adiantou Fábio Reis ao Desafios da Educação.

Para lidar com a expansão e o ganho de complexidade, o Semesp contratou um novo supervisor para o projeto. Trata-se de João Baltazar, especialista em ensino superior que atuou junto ao Consórcio Five Colleges, nos Estados Unidos – uma das principais redes de referência ao Semesp. “Queremos que instituições de outros estados também formem suas redes de cooperação”, concluiu Reis.