Usando o Twitter para o bem da sala de aula

Em uma sala de aula tradicional, é comum os professores sofrerem com as conversas paralelas de seus alunos durante apresentação do conteúdo. Hoje, além do burburinho dos cochichos, os educadores ainda precisam lidar com a falta de atenção provocada pela comunicação por celular e via internet, que ocorre silenciosamente, a qualquer momento e em qualquer lugar. Experiências ao redor do mundo, no entanto, têm mostrado que o melhor jeito de combater o inimigo é unindo-se a ele.

Trazer as ferramentas que os jovens usam em seu cotidiano para dentro da instituição de ensino pode ser a melhor forma de envolver as mentes inquietas e evitar as distrações indesejadas. Sexta rede social em número de perfis ativos no Brasil, o Twitter pode ser quase um vício seus usuários, mas pode também se transformar em uma poderosa ferramenta de envolvimento e participação dos alunos em temas propostos pelos professores.

ícone do twitter

No blog Edudemic, a professora Holly Clark contou a experiência que viveu com seus alunos ao simplesmente criar uma hashtag para discussões via Twitter a respeito do livro Vidas Sem Rumo, de Susan E. Hinton. Confortáveis com o meio digital, os estudantes se mostraram muito mais eloquentes na rede social do que ao se expressarem verbalmente.

O primeiro passo foi definir a hashtag a ser usada em postagens sobre o livro. A professora escolheu usar #Outsiders150 (já que o nome original do livro, em inglês, é The Outsiders). Para garantir que todos teriam possibilidade de participar, ela também deu uma breve aula sobre a plataforma e sobre a estrutura de um tweet, já que, em mensagens de no máximo 140 caracteres, é necessário otimizar o discurso para conseguir comunicar o que se deseja.

usando o Twitter para trabalhos de aula

>> Leia também: O celular pode ser o maior aliado do professor no aprendizado

Antes de dar a largada no experimento, Holly também focou sua aula na cidadania digital, a fim de estabelecer regras a serem compartilhadas por todos os participantes da discussão e evitar mensagens inapropriadas para o ambiente estudantil. Somente depois de preparar o terreno, as turmas começaram a leitura do livro e os alunos eram livres e incentivados a usar o Twitter durante as aulas. Em pouco tempo, a hashtag #Outsiders150 ganhou popularidade e dezenas de mensagens criaram um debate contínuo sobre as ideias do livro, tanto durante o período de aula, como no tempo livre dos alunos.

A professora conta que mesmo estudantes que nunca falavam em debates presenciais se pronunciaram a respeito do livro por escrito, criando uma corrente de mensagens que não teria ocorrido na sala de aula tradicional. No ensino a distância, que reúne alunos de diversas partes do país e do mundo, esse tipo de experimento fica ainda mais interessante e permite níveis de diálogo entre os estudantes que não seriam possíveis pelas vias analógicas. A comunicação online é um eficaz antídoto para a timidez, além de estreitar laços entre alunos que, até então, nem sabiam ter algo em comum. Você pode complementar a leitura com o artigo 3 formas como a instituição de ensino pode ajudar o aluno a preencher lacunas de competências.

A experiência de Holly gerou resultados surpreendentes mediante poucos esforços. Você já tentou usar ferramentas tecnológicas com seus alunos? Acredita que este uso do Twitter pode se repetir com sucesso? Compartilhe suas ideias conosco!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.