Luiz Trivelato: Educação a distância no Brasil, que mercado é esse?

Luiz Trivelato fala sobre o mercado de ensino a distância no Fórum de Lideranças
Luiz Trivelato fala sobre o mercado de educação a distância no Fórum de Lideranças

Um produto com capacidade de incluir diferentes estudantes, em especial das classes C, D e E, seja qual for a cidade onde estejam. Para Luiz Trivelato, Diretor Executivo da SAGAH, será comum encontrar, em alguns anos, uma maior oferta de vagas na educação a distância do que no ensino presencial.

– Existem atualmente no Brasil cerca de 4,1 milhões de alunos cursando uma graduação e 19,8 milhões concluindo o ensino médio. O mercado tem uma demanda enorme a ser atendida – apresentou Trivelato no Fórum de Lideranças: Desafios da Educação.

Segundo Trivelato, a educação a distância é mais complexa do que o ensino presencial, por exigir mais dedicação e organização por parte dos alunos. Além disso, é importante apresentar os conteúdos de forma mais atrativa, já que se perde o contato físico entre estudantes e professores. Por isso, ele recomenda que as primeiras cadeiras EaD sejam as disciplinas mais legais e naturalmente atrativas. O diretor da SAGAH também indica que se concilie conteúdo, tecnologia e agilidade em processos.

No entanto, é um produto que não encontra barreiras físicas, podendo alcançar os estudantes onde estiverem, até mesmo por meio do celular.

– Para ajudar as Instituições de Ensino a aprimorarem os cursos EaD, a tendência natural é de que as editoras de livros acadêmicos se voltem à produção de conteúdo, de forma didática e interessante, baseadas nos melhores livros e principais autores – conclui.