Indo além da questão: Aprendizagem combinada funciona?

3D infographics 02

Michael B. Horn, co-fundador e Diretor Executivo de Educação da Clayton Christensen Institute, trata em sua coluna no site edSurge, aqui suas principais ideias, sobre as questões a serem abordadas quando se fala em aprendizagem combinada. Michael é co-autor do livro “Disrupting Class: How Disruptive Innovation Will Change the Way the World Learn”, um guia prático para a concepção e implantação do ensino combinado nas escolas escrito em parceria com Clayton M. Christensen and Curtis W. Johnson, além de diversas publicações sobre o tema. Ele também escreve artigos para veículos como Forbes, The Washington Post, The Economist e The Huffington Post. 

Saber se algo “vai funcionar”, é uma questão muito antiga na área de educação. As pessoas sempre querem saber se algo – independentemente da circunstância ou como ele é implementado – vai funcionar.

A resposta em todas as pesquisas em ciências sociais, e não apenas a educação, é que “depende”. “Depende” reflete o fato de que, para que uma teoria seja útil, deve levar em conta todos os fatores importantes da situação e permitir a escolha da solução certa.

Sempre digo que a questão sobre como deve ser implementado o ensino combinado é a pergunta errada. A resposta, é claro, depende de como ele é implementado, o modelo de aprendizagem, os professores, o software e muito mais.

O que está se tornando cada vez mais claro, porém, é que a aprendizagem combinada tem um enorme potencial para personalizar o ensino e aumentar a realização para todos os estudantes.

O que diz a pesquisa
“The Learning Accelerator” lançou recentemente um relatório inicial sobre aprendizagem combinada. O relatório, compilado por Saro Mohammed, sócio da The Learning Accelerator, começa com a evidência de que a aprendizagem personalizada ou a instrução individualizada pode ser tão poderosa que produziram impactos consideráveis ​​sobre a aprendizagem do aluno.

O relatório inclui o seguinte:

Em primeiro lugar, uma chave fundamental para ajudar na pesquisa do ensino combinado é entender melhor o que faz. Em seguida, o relatório detalha oito tipos diferentes de projetos de pesquisa que existem e, a partir dessa compreensão, uma maneira de pensar sobre a probabilidade de se replicar seus resultados.

Vamos dar uma olhada em um desses oito estudos de investigação em profundidade: “avaliação das práticas baseadas em Aprendizagem On-line: Uma Meta-Análise e Revisão de Estudos de Aprendizagem On-line”, que fornece evidências de que “pode se aprender mais em ambientes on-line do que em modelos face-a-face”.

O tipo de estudo é altamente rigoroso, o que significa que existe uma alta probabilidade de replicação da aprendizagem mista. O único desafio é que a maioria dos estudos eram em contextos de aprendizagem de adultos: compreender os êxitos e os limites desta pesquisa é vital na escolha de como avaliar ainda mais o impacto de blended learning.

Uma revisão de um estudo realizado pela SRI International explica que o estudo se deu a partir de um “grupo combinado” e que, portanto, tem “alguma probabilidade de replicação”, mas é altamente alinhada em torno da questão do impacto de ensino combinado.

O resumo nos ajuda a entender que foram “misturadas” as descobertas desta pesquisa, mas que os “resultados qualitativos podem ser usados para gerar hipóteses futuras e orientar futuras pesquisas, uma vez que lança luz sobre os aspectos da implementação e que podem ser relacionados com alguns dos resultados acadêmicos avaliados nesses estudos”.

O que surge do relatório é que mais estudos sobre o impacto da aprendizagem mista estão sendo produzidos e que esses estudos têm uma série de diferentes projetos de pesquisa.

A diversidade de pesquisas nesta fase é positiva à medida que avançamos em direção a uma compreensão não apenas sobre a aprendizagem combinada, mas em direção a uma compreensão de como e em quais circunstâncias ela funciona.