7 dicas para fazer um feedback eficaz para a evolução dos alunos

Feedback eficaz

Como em qualquer relação, profissional ou não, a forma como o feedback é feito impacta como ele vai ser absorvido. Seja entre chefe e time de colaboradores em uma empresa ou entre professor e aluno, existem técnicas para que o processo de crítica e análise aconteça de forma positiva – ou, pelo menos, seja uma experiência neutra de aprendizagem para o estudante, para que não influencie de forma negativa seu rendimento nos estudos ou sua desenvoltura no curso. Veja também seis habilidades que o professor de hoje precisa ter. 

Infelizmente, muitos estudantes têm experiências ruins quando se trata do momento do feedback. Criticar pesadamente um trabalho logo após sua apresentação, em frente a toda a turma, pode fazer com que o aluno esteja ainda mais nervoso na próxima vez em que tenha que se expor ou, ainda pior, acredite que não tem desenvoltura para falar em público, não importa o quanto se prepare.

O objetivo do feedback no processo de aprendizagem é colaborar para a melhora de desempenho do estudante. Pode ser feito de forma verbal, escrita ou gestual, mas, no final das contas, deve proporcionar ao aluno dicas e orientações para que ele se sinta capaz de aperfeiçoar alguma característica. Neste artigo, veja sete formas de fazer um feedback eficaz.

1. Deve ser educativo

Fornecer um feedback significa dar aos alunos uma explicação sobre o que estão fazendo corretamente e onde estão errando. No entanto, o foco deve se basear no que está certo. É mais produtivo para a aprendizagem de um aluno quando é apresentada a explicação junto de um exemplo, indicando onde ele foi preciso e o que faltou. Existe um conceito para orientar esse momento, o “sanduíche de feedback”: elogio, correção, elogio.

2. As informações devem ser dadas em tempo hábil

Quando o feedback é dado imediatamente após à demonstração de aprendizagem, o aluno responde positivamente e se lembra da experiência de forma confiante. Ao contrário, se esperar muito tempo para fazer os comentários, esse momento é perdido e o aluno pode não ligar o feedback com a ação.

3. Seja sensível às necessidades individuais do aluno

É vital que cada aluno seja considerado individualmente. Alguns estudantes precisam ser empurrados para alcançar a um nível superior; é importante ter cuidado para não desencorajar a aprendizagem e criar danos à autoestima. Um equilíbrio entre não querer ferir os sentimentos do aluno e fornecer incentivo adequado é essencial.

4. Faça as quatro perguntas

Estudos de ensino e aprendizagem eficaz mostram que o aluno quer saber como está em relação a seu trabalho. Um feedback de qualidade considera essas quatro questões:
> O que o aluno pode fazer?
> O que não pode fazer?
> Como é seu trabalho, em relação aos outros da turma?
> Como ele pode melhorar?

5. Mantenha o acompanhamento

Acompanhamentos regulares com os estudantes permitem que eles próprios entendam sua evolução. Utilize as quatro perguntas para orientar esses encontros.

6. Promova um encontro one-on-one

Uma reunião somente entre professor e aluno é um dos meios mais eficazes de fornecer feedback. Ele estará ansioso pela atenção, além de ganhar um momento para fazer perguntas. Esses encontros devem ser otimistas, incentivando o aluno a olhar para frente. A reunião não precisa durar mais do que 10 minutos, sequer necessita ser presencial: uma vídeo-conferência também funciona nesse momento.

7. Faça elogios sinceros

Os alunos são rápidos para descobrir quando um elogio é merecido ou sem sentido. Dizer constantemente aos alunos “bom trabalho”, em longo prazo, faz com que essas palavras percam o sentido. Um feedback efetivo, mesmo quando for para elogiar, é objetivo, prático e com base numa avaliação que o aluno pode perceber. Em vez de “bom trabalho”, diga “muito boa a forma como você aprofundou este tópico no seu trabalho”.

Artigo traduzido e adaptado de Open College